Vidas acabadas

Quando ela sorria
O coração dele estremecia
Transbordava de alegria
Quando o olhar dela o encontrava

Todos os dias de longe observava
Os passos de sua amada
Que por sua vez notava
Toda vez que ele a olhava

De longe o amor crescia
Tão sutil como a luz do dia
De duas almas tímidas
Que em si encontraram vida

Ele não mais aguentou
Queria ter logo sua amada
Mas logo que a procurou
Em tristeza seu coração afundava

Já não estava mais ali
Quem seu coração tanto almejava
E seu peito tão desejoso
Aos poucos desmoronava

De onde antes brotava vida
Só havia um coração que chorava
O arrependimento de ter sido tarde
Para confessar o amor a quem tanto amava.

Sophia Oliveira.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s